musica

29 de mar de 2014




JANELAS

  Umas horas de espera, uma vida lá fora e um recorte do tempo aqui dentro.
A biruta anunciando um vento sem direção e por instantes meu pensar se iguala caminhando sem rumo por entre as imensas avenidas da metrópole, pelas ruas de mim, pelas vicinais do querer.É da janela que vejo um verde perdido na floresta de concreto, um cinzento esquisito pairando no céu  sentimentos que vão brotando sem que eu consiga contê-los.O que eu penso, o que eu quero, o que eu vivo num vai e vem incessante comparável ao trânsito lá de fora que vai chegar só que eu, de onde estou, não consigo saber.Talvez, a janela que oferece a generosa visão do lugar é a mesma que limita a paisagem.Abro também minhas janelas, aquelas que penso serem amplas, mas que na verdade limitam o que de fato sou.Faço para arejar meus instintos, meus dramas, meus traumas...Contudo, o vidro isolante da boa conduta abafa meu som.Funciono assim como a cidade lá fora. Há os que me veem da janela e os que vivem em mim e por estes sou constante paisagem natural ainda que pulse uma metrópole dentro de mim.

Márcia Toito

O problema é o excesso de falta que as pessoas que amamos deixam na gente quando se vão. Há que se aterrar o fosso que ficou e dependendo do tipo da despedida não há terra que chegue pois que o buraco parece aumentar com o tempo.O problema também é ser quem está de partida, neste caso ainda não sei como fazer para não cavar buracos em solo alheio.Talvez seja melhor não fincar raiz a menos que se pretenda colher frutos.

Injusto arrancar quando estão doces sem que ninguém consiga provar!!! 


Bem vindo ao ceu



                 
                                                                 sejam bem vindos
                                       

                                                      visto de longe
                                       
      a muito tempo não se senta  aqui
                                     
        invasão no banheiro
                                                            flores  comestíveis delicia
                                             
     um quintal de paz

Minha doce vó que saudades...

                                    o tempo sempre muda
                                                                     natureza








                                          vamos dar uma volta
                                                  enquanto a água ta no fogo

 


Cafe servido  na ora 


                                                             Celeste um ser celestial

   Eu assoprei meus sonhos ao vento,
só para ver se Deus me escutava...
e Ele me ouviu...Ocupação para mente e para o corpo.
O sol das manhãs.
O dom de chorar e sorrir.
O dom de andar e movimentar-me.
Enfim ele me deu esse presente, que é a vida.





















passaros

center>