musica

2 de jul de 2011

mitos e verdades



Jardim orgânico em 10 passos





A chave para jardinagem é a flexibilidade. É preciso contar sempre com os desmandos da meteorologia, que podem levar a que um ano seja mais chuvoso e o outro quase completamente seco.


Boas plantas, um bom solo e boas intenções são o mais importante. Nutrir as plantas em harmonia com a natureza é satisfatório e seguro – apenas precisa de alguma paciência, diligência e humor. Os seguintes dez conselhos são dirigidos a jardins orgânicos, mas podem ser aplicados a qualquer tipo de jardinagem.


1 – Que tipo de solo é o seu?
Testar o seu solo permite-lhe descobrir algumas coisas importantes. O solo é ácido, alcalino ou neutro? Algumas plantas preferem mais uns que os outros, mas a maioria dá-se bem num solo equilibrado com todos estes elementos. É importante saber o que possui de forma a que as suas plantas cresçam da melhor forma possível.


2 – Não trate o solo como uma coisa sem importância.
Mesmo os melhores solos levaram anos até ficarem da forma ideal. O que é um bom solo? São os que estão cheios de matéria orgânica como compostos, que podem ser facilmente revirados com uma forquilha, e que nutrem as plantas que ali quiser colocar.


3 – Experimente.
O divertimento da jardinagem é descobrir o tipo de plantas que prefere. Às vezes, uma variedade das que gosta é perfeita para o tipo de solo que dispõe. Mas não vai saber isso até que a planta cresça. Não tenha medo de falhar. Quando se tem de lidar com a Mãe Natureza, os planos podem ser facilmente alterados.


4 – Mantenha um “kit” de primeiros socorros para o seu jardim.
Este kit deve incluir algum arame, estacas, material para atar, sabão para plantas e fertilizante orgânico, para lhes dar um pequeno mimo extra. É também uma boa idéia antecipar possíveis pestes. Se está querendo explorar uma nova área, para onde se mudou, procure saber junto dos vizinhos que tipo de problemas eles enfrentam e esteja preparada com os repelentes que podem ajudar rapidamente as suas plantas.


5 – Não introduza plantas doentes no seu pequeno paraíso. As plantas saudáveis têm o seu próprio sistema imunitário e podem repelir pestes.


6 – Mantenha um bloco de apontamentos acerca das espécies que plantou.
Além disso, coloque também o local onde as plantou. Assim vai saber sempre o que tem e o que pode esperar do seu jardim, ao mesmo tempo em que terá a certeza de que certas espécies podem, ou não, dar-se com o seu solo.


7 – Conheça as suas plantas intimamente.
Este é um dos grandes benefícios da jardinagem. Distraia-se a observar o seu crescimento, a olhar com atenção para as folhas à procura de possíveis problemas. Afinal é para distracção que serve cuidar de um jardim, para além do efeito belo que este possa ter.


8 – Pratique a juntar espécies.
Algumas plantas dão-se melhor quando são plantadas perto de outras. Algumas ervas, por exemplo, beneficiam certas plantas e vegetais, melhorando mesmo o seu sabor. Algumas flores mantêm os insetos afastados, outras atraem pássaros, borboletas e insectos benéficos que vão ajudar o jardim a livrar-se das pestes.


9 – Mantenha a rotatividade.
Num jardim orgânico, a rotação das plantas é essencial. A rotação num jardim de vegetais é também essencial porque alguns vegetais retiram ao solo todos os seus nutrientes, e outros colocam nutrientes nos solos. É este equilíbrio que deve alcançar. Algumas pestes montam “casa” junto das suas plantas favoritas. Mudando-as de sítio, afasta-as desses problemas.


10 – Desfrute o seu jardim.
Mantenha-o no tamanho certo para que o possa tratar sem stress. Não existe nada mais recompensador do que observar o crescimento das plantas. E isto se aplica a qualquer idade. As visitas diárias ao seu jardim vão dar-lhe uma sensação especial de paz.




Aprenda como cultivar temperos


Temperos, chás revigorantes e remédios calmantes são algumas das maneiras de empregar as ervas de cultivo doméstico – plantas em geral mais utilizadas pelos sabores, aromas ou propriedades medicinais.


Se suas plantas estiverem dispostas de modo que você possa sentar-se perto delas, vai desfrutá-las com um prazer para todos os sentidos.


O tamanho do jardim não é muito importante para o cultivo das ervas. Mas é grande o prazer de usar aquelas que foram cultivadas por você mesmo, em sua própria casa, com apenas algumas espécies reunidas numa bacia, jardineira, no peitoril da janela ou plantadas entre os canteiros de flores de seu jardim.


Cultivar Ervas em RecipientesA maioria das ervas pode ser cultivada em recipientes menores. Se o que estiver usando for um vaso, ele deve ter de um terço a metade da altura da planta.


Uma mistura adequada para colocar plantas em vaso é constituída de partes iguais de terra vegetal esterilizada e areia grossa. Se possível acrescente um pouco de estrume bem curtido.


Atrás de uma vidraça ensolarada, a maioria das ervas cresce no verão quase tão bem dentro de casa quanto do lado de fora.


Ter uma horta não é privilégio apenas de quem mora em casas com grandes terrenos. É completamente possível cultivar condimentos e ervas em apartamentos ou em espaços pequenos, desde que o local seja bem iluminado, apresente boas condições de irrigação e tenha solo de boa qualidade.


Algumas espécies se adaptam melhor em canteiro, são elas: alecrim, manjericão, estragão, camomila, capuchinha, cebolinha, erva cidreira, hortelã, orégano, pimenta-dedo-de-moça, salsinha e sálvia.


Você vai precisar de um vaso grande ou uma jardineira (pode ser de plástico ou de barro), terra, húmus de minhoca, mudas de ervas de boa procedência.




Fique atento a algumas dicas de cuidados:
- As ervas precisam de luz solar, pelo menos algumas horas por dia. Sem isso, é praticamente impossível cultivá-las;
- Mantenha regas regulares, mas nunca encharque a terra.;
- Retire folhas velhas, amareladas e secas e verifique periodicamente se não há ataques de pragas. Nesses casos, evite produtos químicos e use apenas inseticidas naturais (calda de fumo, calda de sabão, etc.), pois as ervas serão utilizadas como tempero e no preparo de chás;
- Adube a cada 3 meses, com húmus de minhoca e torta de mamona;
- Na hora de escolher as ervas, procure selecioná-las segundo as exigências de luminosidade. Lembre-se que elas estarão no mesmo vaso.


Saiba mais sobre algumas espécies e como cultivá-las
Alecrim
O alecrim (Rosmarinus officinalis) é uma planta semi-arbustiva, delicada e que ainda deixa o ambiente com um perfume muito especial. Na cozinha, é usado para temperar carnes em geral, legumes e até dar um sabor diferente a omeletes. Cresce bem em ambientes muito ensolarados. Por isso, você pode plantar sua mudinha em vasinhos com 20 cm de diâmetro, usando terra comum de jardim. Para obter novas mudas, é só lascar um galho e plantar em solo úmido.


Cebolinha verde
A cebolinha (Allium schoenoprasum) é uma planta bulbosa do mesmo gênero do alho e da cebola. Suas folhas formam um tubinho oco e têm um aroma suave de cebola, bastante apreciado em inúmeras receitas. Pode ser semeada em pequenos vasos de barro, mas se você quiser ter esse tempero mais rapidamente, uma solução prática é aproveitar as mudinhas que são vendidas na feira. Para isso, quando comprar cebolinha, corte as folhas para uso e plante os toquinhos, com um pouco da raiz. Em pouco tempo, as mudas vão soltar brotos vigorosos e perfumados. Ao plantar, não esqueça que a cebolinha gosta de solo fértil, rico em matéria orgânica.


Coentro
Conhecido também como salsa chinesa, o coentro (Coriandrum sativum) tem as folhas parecidas com as da salsa, mas seu sabor é bem diferente, mais próximo ao do limão. Suas folhas são usadas em inúmeros pratos à base de peixe, as sementes em conservas e o coentro em pó para aromatizar massa de pães e carnes assadas. Pode ser cultivado facilmente a partir de sementes, em vasos com solo rico em matéria orgânica, sempre em locais com bastante sol.


Hortelã
Você pode escolher entre várias espécies de hortelã, mas as mais comuns são a Mentha crispa, com folhas verdes escuras e crespas, e a Mentha Spicata, num tom de verde mais claro e com folhas lisas. Todas são viçosas e perfumadas e usadas para temperar quibes, saladas, carnes de peixe e carneiro, aromatizar sucos e sobremesas, como sorvetes, pudins e gelatinas. Crescem bem em ambientes ensolarados, mas toleram bem um leve sombreado. No início da primavera, renove a terra dos vasos e aproveite para desfazer o emaranhado das raízes e podá-las, se for necessário.


Manjericão
Há várias espécies, com folhas mais largas ou delicadas, todas da família dosOcimum. O manjericão é conhecido também como alfavaca e basílico, e suas folhas são usadas em peixes, carnes e molhos. Pode atingir de 40 a 60 cm de altura, por isso deve ser plantado em um vaso de uns 20 cm de diâmetro. Necessita de bastante sol e, se começar a crescer muito, você deve podar alguns ramos para ativar novas brotações e obter uma planta mais cheia.


Orégano
Conhecido também como orégão, o Origanum virens é uma erva originária do Mediterrâneo, muito usada em peixes, carnes, saladas, molhos e suco de tomate. Gosta de ambientes ensolarados e solo leve e arenoso, com boa drenagem. As folhas e pontas de galhos podem ser cortadas para serem usadas fresquinhas, e logo vão surgir novos brotos, que vão deixar a plantinha ainda mais densa e decorativa. Não se esqueça de renovar o solo do vaso anualmente, com uma mistura nova e nutritiva.


Salsa
Originária da Europa, a salsa ou salsinha (Petroselinum sativum) é uma plantinha simpática, com folhas bipartidas ou crespas, mas sempre muito aromática. É bastante popular no Brasil e entra na composição de inúmeras receitas salgadas, como carnes, sopas, bolos e saladas. Seu cultivo é muito simples: basta semear num pequeno vaso e deixar junto a uma janela iluminada. Em pouco tempo, você terá uma linda plantinha e ramos fresquinhos para dar um sabor todo especial às suas receitas.


Salvia
Em vasos, a sálvia (Salvia officinalis) chega a atingir 30 ou 40 cm de altura, sempre bonita com suas folhas alongadas e meio cinzas. É usado para temperar peixes, carnes, queijo fundido e em cozidos, substituindo o louro. Exige muito sol e pode ser multiplicada facilmente através de estacas de galhos.


Tomilho
Conhecido também como timo (Thymus vulgaris), pode ser salpicado em qualquer prato à base de peixe, esfregado em carnes, antes de levá-las ao forno, e misturado em queijos e requeijões. Atinge de 10 a 30 cm de altura, e tem os ramos aveludados, que normalmente só começam a ser colhidos depois que a planta atinge dois anos. Para crescer bem, necessita de bastante sol e de um solo leve e arenoso. Beijos bom fim de semana

Um comentário:

  1. Amiga, muito boas dicas.
    Bom domingo e boa semana.
    Beijos de alecrim.
    Lua.

    ResponderExcluir

volte sempre

passaros

center>