musica

17 de jun de 2011

( a doença da minha mãe ) Aqui começa a minha jornada ate chegar na roça

 
D Celeste nasceu para  a natureza um ser especial.

Hoje vou postar como vim parar aqui no fim do mundo
A Morte Descobri que a vida tem fim. Sentir na própria pele a perda de uma mãe querida não é fácil. Passa um filme pela cabeça de toda uma infância, adolescência e juventude. As dificuldades, o ciúme de uma mãe severa, a cautela, a prudência a vontade de liberdade. A vida na mais pura essência familiar. Brigas, desentendimentos, discussões… como era difícil de entender tantas imposições. O tempo passa, a gente cresce. Quando tive minha filha consegui finalmente compreender algumas ações e reações.


Essa partida, no meu caso, esperada pela doença severa que a doença da minha mãe tinha, foi dolorida e triste. A morte anunciada em que olhar para frente é um imenso abismo, uma escuridão, um medo. A incerteza predomina.


Olhar o corpo debilitado já inerte no caixão é  in explicável. A emoção fica anestesiada e bate uma dor, um enorme vazio. Em volta a família reunida, orando e digerindo todos os acontecimentos tão rápidos e esperados.


Passar por essa experiência foi  horrível muita informação de    crescimento para a minha pequena alma. Houve encontros, reencontro, perdão e surpresas gratificantes de pessoas aparantemente tão distantes Nada como um dia após o outro aonde tudo se encaixa e mudanças são inevitáveis.


Agradeço a Deus, a algo realmente do céu por enfrentar com seriedade e tranqüilidade este momento tão delicado da minha vida. Que ele realmente transforme e modifique tudo que é necessário neste momento.


Este ano será muito diferente, um ano realmente novo nos mais diversos aspectos.Uma mãe que partiu através da morte, um marido que se torna ex . É uma enorme mudança na minha vida. Que eu supere, que eu encontre um novo caminho e por que não novo marido? e resolvi levar papai que e´idoso para ode quer que eu vá 
Natal, final de ano e a promessa de um tempo melhor
Como as pessoas sofrem! Ficam tristes por não ter alcançado tudo o que desejavam. Falta tudo: amor, dinheiro e uma boa amizade. Que dificuldade!
Quantas emoções e quantas inter rogações.
Outros se sentem realizados! Casamento a vista, viagens inesquecíveis, filho nascendo e o trabalho se desenvolvendo.
Acredito num tempo de conscientização. Do silêncio interno, da leitura da alma, do corpo e do coração.
Os ânimos se exaltam! Como está a minha vida? O que desejo? O que preciso descartar? Socorroooo!!!!!
Alguns preferem passar ilesos. Que tal assar o peru? Um bom tender? Uma boa maionese? Já pensou na sobremesa com chocolate… Presentes, discórdias familiares, tudo num processo cristalizado por anos. Depois vem o arrependimento de tanta comida. Segunda é dia de regime!
Vale tudo, do repensar, da análise, do esquecimento, do padrão

Seja qual for a sua escolha a vida continua e para o próximo ano muito otimismo, humor, criatividade e envolvimento com as atividades escolhidas . Muita força e coragem para caminhar em busca dos sonhos e das próprias verdades. sabe aquele amigo !que comento as vezes    me surpreendeu!
Não esperava o carinho, a atitude e a compreensão.
Que mundo maluco! Sabe aquela pessoinha bacana que você vê sempre , conversa, mas que nunca foi seu amigo?
Pois é! Ele me surpreendeu. Veio, se expôs, ofereceu amizade e um jeito muito objetivo e sincero de ser.
Sem especulações, sem fofoca, sem intromissão. Simples mente conhecendo a dor e se oferecendo para carregá-la junto comigo. Quantos acontecimentos são necessários na nossa vida para testarmos o ato da superação? E quando acontece tudo de uma só vez?
Bacana mesmo! Você é especial para mim e para o mundo.a arte da superação
Cada coisa no seu devido tempo seria o mais adequado. Focar um acontecimento por vez e se empenhar em resolvê-lo. Como é bacana sentir a força interna de enfrentar de frente as dificuldades e conseguir o equilíbrio necessário para discernir o adequado e o não adequado,isso depois de longos 6 meses E quando envolve outras pessoas a sua volta que você não deseja que sofram?
A panela de pressão está fervendo e o coração bate forte. Às vezes dá uma vontade louca de chorar e o melhor é externar essa dor. Extravasar a raiva, o ódio da incompreensão, da ignorância, do orgulho, da vaidade do outro.
Cadê a serenidade? A paz interior?
Há a necessidade crescente de renovação, jogar fora o que não presta e reconhecer a força interna adquirida com anos de esforços de auto-conhecimento e querer bem a tudo e a todos.
Há coisa mais gostosa do que beijar? Apertar? Judiar?
Depende de um grande esforço! saudade de minha mãe
Sacudir a poeira nem sempre é tão simples quanto mais dar a volta por cima. É fato que as grandes mudanças em nossas vidas surgem acompanhadas de uma grande dose de dificuldades. A razão e o coração se interagem e a frieza necessária para a tomada de decisões nem sempre está presente.
Isto é carinho de mãe! Nem sempre muito aceito e desejado mas nunca será esquecido. Lembrado com carinho nos momentos de distância, lembrado com afeto nos dias de carência, lembrado com amor nas conquistas da vida!
Analisar e buscar novos rumos com a força do caráter adquirido pela educação, formação e por compreender de que querer o bem e proceder positivamente só pode abrir caminhos. O que é querer bem? É pensar nos que estão a nossa volta? É pensar em si? É pesar os dois?
Amigos queridos, vizinhos silenciosos e familiares unidos são os alicerces necessários nessa nova caminhada. Quantos sonhos, quantas esperanças!
Tenho a fé, o nosso positivismo e a coragem de seguir. Este mundo tão genial, com uma beleza natural tão incrível me leva a crer nas possibilidades de conquistar o que espero dessa vida.
O que quero de novo? O que precisa ser jogado fora? Aonde quero chegar? O que amo? O que detesto? Há tempo? Há disposição? Há possibilidade?
Responderia sim. Quero crescer, evoluir, trabalhar e me divertir. Sim, preciso jogar fora o que deteriorou, falhou, não se encaixou. Coisas da vida!
Há tempo de sobra, há disposição, há vontade. Um ano bem vivido e feliz em nossas vidas pode valer por dez anos basta vivê-los intensamente com as pessoas certas.
É necessário dar tempo ao tempo, organizar uma nova ordem e partir de frente para novas situações. O passado é um livro que ficou na estante. A partir de agora é escrever uma nova história de vida, feliz, porque tem honestidade e veracidade de sobra.
Avante!
 

Às vezes, na estranha tentativa de nos defendermos da suposta visita da dor, soltamos os cães. Apagamos as luzes. Fechamos as cortinas. Trancamos as portas com chaves, cadeados e medos. Ficamos quietinhos, poucos movimentos, nesse lugar escuro e pouco arejado, pra vida não desconfiar que estamos em casa. A encrenca é que, ao nos protegermos tanto da possibilidade da dor, acabamos nos protegendo também da possibilidade de lindas alegrias. Impossível saber o que a vida pode nos trazer a qualquer instante, não há como adivinhar se fugirmos do contato com ela, se não abrirmos a porta. Não há como adivinhar e, se é isso que nos assusta tanto, é isso também que nos dá esperança.

É maravilhoso quando conseguimos soltar um pouco o nosso medo e passamos a desfrutar a preciosa oportunidade de viver com o coração aberto, capaz de sentir a textura de cada experiência, no tempo de cada uma. Sem estarmos enclausurados em nós mesmos, é certo que aumentamos as chances de sentir um monte de coisas, agradáveis ou não, mas o melhor de tudo, é que aumentamos as chances de sentir que estamos vivos. Podemos demorar bastante para perceber o óbvio: coração fechado já é dor, por natureza, e não garante nada, além de aperto e emoções mofadas. Como bem disse Virginia Woolf, “não se pode ter paz evitando a vida.”Ana jacomo

Um comentário:

volte sempre

passaros

center>